Granizo em MG e no Rio foi provocado por 'cavado meteorológico'; entenda

Cesar Soares, meteorologista da Climatempo, explica que fenômeno é típico desta época do ano na região.


Por g1


Carro atolado no gelo após granizo em Cabo Verde (MG) — Foto: Reprodução/EPTV


Fortes chuvas com granizo atingiram vários estados do Brasil na terça-feira (08), deixando as cidades cobertas de pedras de gelo. A tempestade passou pela Baixada Fluminense no Rio de Janeiro, cidades do sul do Minas, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.


No Rio, no Vidigal, motoxistas se juntaram e ajudaram a desobstruir bueiros que ficaram entupidos e inclusive a cidade foi colocada em estágio de mobilização, que é o segundo nível em uma escala de cinco e significa que há riscos de ocorrências de alto impacto na cidade, com possibilidade de nova mudança de estágio devido à chuva e/ou outros fatores.


De acordo com Cesar Soares, meteorologista da Climatempo, o fenômeno é explicado por causa do deslocamento de um "cavado meteorológico".


Este é um termo técnico que faz referência a perturbação nos ventos na região que favorece a subida de ar úmido e favorece o desenvolvimento de grandes nuvens carregadas.


Nesta terça (8), na região de Minas Gerais e do estado do Rio de Janeiro, as condições atmosféricas eram favoráveis para a formação desse fenômeno.


"[Esse é um evento] que favorece o surgimento de nuvens do tipo cumulonimbus. Elas têm dentro dela a presença gelo. E é esse gelo que acaba formando alguns aglomerados que quando ficam muito grandes, acabam caindo em forma de gelo mesmo, sem derreter", explica o meteorologista.

"É isso que faz com que a gente tenha esse fenômeno de granizo nessa época do ano".


Ainda segundo Cesar, essa época do ano, de transição do inverno para o verão, a atmosfera está muito "mais perturbada" e, por isso, o desenvolvimento das nuvens cumulonimbus é bem mais recorrente, já que há um aquecimento gradativo em curso.

"Por isso que agora vai ser muito mais comum a gente ter a ocorrência de granizo em várias áreas do Brasil.


De acordo com o Instituo Nacional de Meteorologia (INMET), as áreas que estão demarcadas em amarelo estão sob Perigo Potencial por causa das chuvas intensas com possibilidade de granizo.



Em amarelo, zonas de perigo potencial. — Foto: Inmet


Até 14 de novembro, ainda de acordo com os dados INMET, os maiores acumulados são previstos em áreas do oeste do Paraná e São Paulo, leste de Mato Grosso do Sul e em áreas do centrossul de Minas Gerais, além de áreas do Amazonas, Pará, Tocantins, Maranhão e Piauí.


Para a Região Norte são previstos acumulados de chuva para áreas do oeste do Amazonas, norte de Roraima, leste do Pará e oeste de Tocantins. Já no Acre e em Rondônia podem ocorrer pancadas de chuva no fim da semana, mas com baixos acumulados.


Na Região Nordeste, a maior probabilidade de chuva é para o início da semana e deve se concentrar principalmente em áreas do Maranhão, Ceará e Piauí.


No Centro-Oeste há previsão de chuva em grande parte da região, principalmente em áreas do sul de Mato Grosso, noroeste de Mato Grosso do Sul e grande parte de Goiás. Em áreas do sul e leste de Mato Grosso do Sul, os acumulados de chuva podem ultrapassar 60 mm.


Na Região Sudeste, a chuva pode ultrapassar os 80 mm em áreas do oeste de São Paulo, centrossul de Minas Gerais e sul do Rio de Janeiro. Já em grande parte do norte de Minas Gerais, Espírito Santo, norte do Rio de Janeiro e leste de São Paulo há previsão de baixos volumes de chuva que podem ser inferiores a 40 mm.


Assim como nas regiões Centro-Oeste e Sudeste, áreas de instabilidade ocasionarão acumulados significativos de chuva em grande parte do norte da Região Sul, com volumes que podem ultrapassar 60 mm no oeste do Paraná e Santa Catarina. Em áreas do sul do Rio Grande do Sul ainda haverá o predomínio de um tempo seco e ocorrência de pouca chuva, principalmente no final de semana.



Chuva de granizo em Caxias, na Baixada Fluminense — Foto: Reprodução/Redes Sociais



Chuva que deixou 'gelo' no chão em Patos de Minas — Foto: Reprodução/Redes sociais




53 visualizações0 comentário