Jovem ativista, indígena de Manaus participa da COP 27 no Egito

Ela e outros 42 jovens de diversos coletivos e organizações sociais foram escolhidos pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) para representar a adolescência e a juventude na conferência.


Por g1 AM



Tainara da Costa Cruz, de 18 anos, é ativista ambiental indígena do povo Kambeba, de Manaus. — Foto: Divulgação/Unicef


A jovem ativista ambiental indígena do povo Kambeba, de Manaus, Tainara da Costa Cruz, de 18 anos, foi selecionada para participar da 27ª Conferência das Partes das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 27), no Egito, que acontece até o dia 18 de novembro.


Ela e outros 42 jovens de diversos coletivos e organizações sociais do país foram escolhidos pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a organização da sociedade civil Viração Educomunicação, para representar a adolescência e a juventude brasileira na conferência.


Segundo a Unicef, Tainara e os jovens que estão na COP 27 foram selecionados a partir dos projetos apresentados e do potencial como multiplicadores. A expectativa é que possam compartilhar e multiplicar o conhecimento em suas localidades quando retornarem, além de seguirem com as atividades que já desenvolvem.


Estudante do 2º ano do ensino médio na Escola Estadual Samsung Amazonas, localizada na comunidade Três Unidos, Tainara abraça a luta de jovens lideranças pelos direitos dos povos indígenas.


Para seu primeiro evento internacional, ela já preparou a tinta à base de urucum – de uso indígena para pintura corporal –, sua vestimenta com grafismos típicos do povo Kambeba e o discurso que tange para conservação da Floresta Amazônica.


“O evento é uma oportunidade de valorizar nossa cultura e dar voz aos povos indígenas sobre questões ambientais. A cada ano, por exemplo, percebemos que os impactos das mudanças climáticas são significativos. Nós nos deparamos com períodos de estiagem ou de chuva mais intensos, o que acaba prejudicando plantações, e o aumento de temperatura”, explica a jovem.


A comunidade Três Unidos tem mais de 30 anos de existência, com 35 famílias e mais de 100 pessoas entre crianças, jovens e adultos do povo kambeba, também chamados de omágua, que significa “o povo das águas”.


Nesse ambiente, o indígena Tome Cruz, pai de Tainara, é professor de História para alunos do ensino fundamental. Ele é uma liderança que busca o fortalecimento da luta e autonomia dos povos indígenas desde jovem.


“Tainara sempre esteve comigo nas reuniões e observava as discussões sobre os direitos dos povos indígenas e manejo racional da floresta. Estamos orgulhosos pela participação dela na COP 27, pois isso é resultado da sua dedicação e responsabilidade como jovem liderança indígena”, esclarece Tome.


Sobre sua atuação no movimento indígena, Tainara explica que a oportunidade se firmou com a Rede de Jovens Comunicadores Makira E’ta, parceira do UNICEF para o projeto de "Fortalecimento da capacidade de povos indígenas na Amazônia para prevenção e resposta à covid-19".


“Sempre quis colaborar com a iniciativa e, quando percebi, já estava fazendo parte do grupo. Comecei a integrar eventos locais e nacionais e hoje, junto com outros parentes, busco consolidar a voz dos povos indígenas na defesa da Amazônia contra desmatamento, queimada, garimpo e poluição”, afirma Tainara.


COP 27

A 27ª Conferência das Partes das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 27) ocorre entre 6 e 18 de novembro no Egito.


Com o tema "Juntos para a implementação", o encontro reunirá líderes mundiais com o objetivo de debater medidas de contenção das mudanças climáticas.

A COP 27 pretende passar das negociações e planejamento para a implementação de ações.

14 visualizações0 comentário